Projetos 2018.1

De Projeto Paisagístico
Revisão de 17h18min de 30 de julho de 2018 por Marcelo (discussão | contribs) (Protegeu "Projetos 2018.1" ([Editar=Permitir apenas administradores] (indefinidamente) [Mover=Permitir apenas administradores] (indefinidamente)))

(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para: navegação, pesquisa

Grupo 01

projeto

Parque Municipal Américo Renné Giannetti

integrantes do grupo

  • Alice - alicerenno@gmail.com
  • Letícia - leticianotini@hotmail.com
  • Lourenço - lourencomarino@gmail.com
  • Luís Henrique - luishenriquemos@gmail.com
  • Pedro Ivo - pedropedroide@gmail.com

Links:

Grupo 02

projeto

era pra ser praça

Parismumbai.jpg

integrantes do grupo

  • Daniela Faria - ddanielafaria@gmail.com
  • Kamilla Silva - kamillass3@hotmail.com
  • Larissa Menezes - larismenezes29@gmail.com
  • Vinícius Bicalho - vini.bicalho@hotmail.com

links material produzido pelo grupo

Grupo 03

Projeto

Operação Urbana Simplifica da Região do Acaba Mundo e seu impacto urbano-paisagístico na cidade de Belo Horizonte - editar -

Integrantes do grupo

  • Clara Brasil (clarabrasil17@hotmail.com)
  • Paula Gomes (pauladecmgomes@gmail.com)
  • Rogério Passos (lucasrogeriogp@gmail.com)


Links Visita Quarteirão:

Links Visita Vila:

Grupo 04

projeto

AVENIDA BRASIL: CONEXÃO ENTRE PRAÇA DA LIBERDADE E PARQUE MUNICIPAL


APRESENTAÇÃO

O grupo estudou os possíveis caminhos que ligam a Praça da Liberdade até o Parque Municipal, realizando uma análise crítica de cada um desses caminhos identificados como mais relevantes. A partir disso, foi escolhido o caminho a partir da Avenida Brasil, explorando todas suas potencialidades.

METODOLOGIA

Foram feitos gráficos que nos mostraram os principais tipos de edifícios presentes no trajeto escolhido (TP1-a), percorremos o caminho diversas vezes para vermos as dificuldades que os pedestres possuem ao transitar nessa área e, através da análise dos cruzamentos presentes nessa avenida, foram feitas propostas de alteração para que o caminho fique o mais agradável e intuitivo possível para os pedestres.


CONCLUSÃO

Apesar de o caminho escolhido para o estudo não ser o mais óbvio nem o mais curto e dispor de diversas deficiências, enxergamos nas mesmas a potencialidade de transformá-lo em um caminho seguro e natural. A proposta é que as pessoas voltem a valorizar a beleza que enxergamos na Avenida Brasil com o skyline composto de prédios interessantes e pelas antigas palmeiras. Além da potencialidade de investir nas calçadas já largas e na presença de um comércio ativo na avenida.


APRESENTAÇÃO TP1-A - https://docs.google.com/presentation/d/1DQceN4mTOxddhuSfQrKXNtkB6YYkD9cEAtGrGOhf23s/edit?usp=sharing

APRESENTAÇÃO TP1-B - https://drive.google.com/open?id=17NcWuREODqRFrHOP6vUOOvBzs8MuIlgB7PknhXnIQAM

integrantes do grupo

  • Luiza Procópio - luizaprocopio.arq@gmail.com
  • Daniela Lauria - dlauriasilva@gmail.com
  • Mariana Macedo - macedoribeiro.m@gmail.com
  • Isabela Guerra - isabelagn@gmail.com
  • Thais Guerra - thaisgbitaraes@gmail.com

Links:

Grupo 05

projeto

nome do projeto do grupo - editar -

A Avenida Nossa Senhora do Carmo e o nível da rua

Apresentação

O trabalho em questão consiste em uma análise crítica das fachadas em alguns quarteirões do eixo Rua Rio Grande do Norte-Avenida Nossa Senhora do Carmo, bem como uma intervenção na legislação do local, focando na sua sensível relação com o nível da rua, destacando, dessa forma, a possibilidade de renovação que a área enfrentará.

Metodologia

O grupo, partindo da Rua Rio Grande do Norte, percorreu o trajeto estipulado levantando dados como: condições da calçada e condições das fachadas, através de fotografias. Com isso, foi possível estabelecer uma montagem na qual fez-se juízo dos elementos de estudo através de 5 classificações para fachadas e 9 para calçadas. Esta etapa nos permitiu analisar a necessidade de renovação do espaço de estudo. Isto, portanto, já está sendo feito, visto que o local é uma zona com coeficientes de aproveitamento elevados e, hoje se encontra pouco adensado.

Conclusão

Conclui-se, portanto, que a necessidade de intervir com incentivos e contrapartidas na legislação vigente é latente, já que a área começa a passar por um processo de renovação. A proposta deste trabalho deixa claro a discrepância entre o cenário futuro das vias com intervenção e sem intervenção na lei municipal. Cabe fazer juízo do que seria melhor no nível do pedestre sem esquecer da importância desses corredores viários para a mobilidade da cidade.

LINKS:

TP1-A

TP1-B

FOTOS

integrantes do grupo

  • Ana Carolina Smocovisk - anacarolismo@gmail.com
  • Bruna Montes - bnasouza1@gmail.com
  • Mariana Lima - mariana.sb.lima@gmail.com
  • Monique Gomes - moniquegn2@gmail.com

Grupo 06

projeto

Integração Urbana - Paris x BH

Buscou-se neste trabalho estudar e questionar o atual projeto urbano Le Grand Paris Express, projeto parisiense de desenvolvimento da métropole. A partir desse estudo inicial buscou-se um paralelo com a nossa cidade, a cidade de Belo Horizonte, mais especificamente com a área de estudo determinada (entre a Praça Sete e a Praça Tiradentes). Entretanto, ao estudar o histórico e o contexto urbano das duas cidades percebeu-se várias diferenças. Assim, este projeto se constituiu em analisar a mobilidade urbana de Belo Horizonte e identificar áreas possíveis de intervenção e de implantação de grandes equipamentos de metrô.


Apresentação final: https://docs.google.com/presentation/d/12EKwRKkhZZ5mquEEC7A4D9H0qnDA7pAPiRg1SR8cxDQ/edit?usp=sharing

integrantes do grupo

Links:

Grupo 07

projeto

Comércio - Renovação - Estacionamentos - Vazios - Savassi

TP1A - APRESENTAÇÃO

TP1B - APRESENTAÇÃO

TP1B - PARTE ESCRITA

Comércio - Renovação - Estacionamentos - Vazios - Savassi

A proposta deste trabalho é desenvolver diferentes tipos de apropriação do espaço para os espaços ociosos resultantes das rápidas transformações na estrutura urbana. A área de interesse do projeto é a região da Savassi, onde foram levantados dados relativos ao contexto histórico de formação da região, tipologias existentes, usos das edificações, estacionamentos privativos x estacionamentos nas vias públicas, presença de uso noturno, intervenções existentes etc. e esses dados foram analisados e mapeados a fim de montar um diagrama que nos mostrasse as potenciais áreas de intervenção. Como a região da Savassi é uma região que está em constante transformação, as áreas com potencialidades foram facilmente identificadas como os espaços ociosos das vagas de estacionamento nas vias públicas na região, resultado da tendência de transformação do uso comercial, em sua maioria, para o uso residencial com a vinda de grandes empreendimentos imobiliários para as classes mais altas, capazes de pagar por um dos maiores preços por metro quadrado de Belo Horizonte. O projeto consistiu na identificação das vias com potenciais diferentes para apropriação, transformando essas vias em áreas com parques, parklets, pistas de skate, áreas de lazer e prevendo uma área de estacionamento para atender as possíveis demandas de vagas.

integrantes do grupo

  • Giziet Tofani - arquivos.giziet@gmail.com

Resenha - TERRAIN VAGUE [2]

  • Júlia Mota - arquivos.judiasmota@gmail.com

Resenhas 1 e 2 [3]

  • Luiza Metzker - metzkerluiza@gmail.com

Resenha - Agricultura Urbana

Resenha - Terrain Vague

  • Marcelo Martins - marcelomfneves@gmail.com

Resenhas [4]

Links:

Grupo 08

projeto

Savassi - Centro em Modificação

integrantes do grupo


Trabalhos em grupo

TP 1 A e B

Grupo 09

Projeto

Redes de Drogarias e Suas Tipologias: Impactos Urbanos

O trabalho em questão visa a análise das tipologias de drogarias dentro da Avenida do Contorno, seus impactos urbanos e a forma com que sua implantação afeta as dinâmicas locais e as lógicas de comércio da região. Além disso, busca-se o entendimento a respeito da sua lógica de implantação dentro do contexto da cidade, sobre os motivadores da ascensão deste tipo de comércio e sobre os impactos positivos e negativos que essas drogarias ocasionam no contexto urbano.

TP1A - APRESENTAÇÃO

TP1B - APRESENTAÇÃO

integrantes do grupo

Fotomontagem individual

Fotomontagem individual: [8]

Grupo 10

Projeto

Síntese: Análise sobre a Praça da Savassi - Novo desenho e Implicações

Apresentação TP1-A

Apresentação TP1-B

Levantamento fotográfico

integrantes do grupo

Grupo 11

projeto


Introdução: área, referências e ideias

Link para o TP1


O objetivo do trabalho é provocar reflexões críticas a partir de colagens/ fotomontagens que explorem possibilidades e utopias para a área delimitada. Ao visitar a área percebemos que ela tem uma dinâmica marcada por características muito particulares que queremos evidenciar e a partir das quais poderemos imaginar diversas situações. A partir das referências escolhidas e de visitas ao local identificamos mais detalhadamente informações relativas ao tema para propor perguntas e reflexões que resultarão nas montagens.

Analisando a colagem como um procedimento dentro da arte contemporânea, Peter Bürger esquematiza e entende alegoria a partir do texto de Benjamin: Se tentarmos desmontar o conceito de alegoria em suas partes constitutivas, obteremos o seguinte esquema: 1. O alegorista arranca um elemento à totalidade do contexto da vida. Ele o isola, priva-o de sua função. Daí a ser a alegoria essencialmente fragmento e se situar em oposição ao símbolo orgânico. 'Na esfera da intenção alegórica, a imagem é fragmento, runa […]. A falsa aparência da totalidade se extingue.' 2. O alegorista junta os fragmentos da realidade assim isolados e, através desse processo, cria sentido. Este é, pois, um sentido atribuído; não resulta no contexto original dos fragmentos. 3. Benjamin interpreta a atividade do alegorista como expressão da melancolia. (2008, p.141). 4. Também a esfera da recepção é considerada por Benjamin. A alegoria, que pela sua natureza é fragmento, apresenta a história como decadência: 'a alegoria mostra ao observador a facies hippocratica da história como protopaisagem petrificada. (2008, p.142)

No caso da alegoria, a relação que se faz do espectador/leitor com a obra passa a ser algo mais próximo de uma interlocução, isto é, o significado não é dado por quem a produz, nem é único, mas se constrói por diversos caminhos, abrindo possibilidades e estimulando o imaginário. Essa possibilidade é dada através dos diversos elementos utilizados na obra, que, privados de sua função e contexto “original”, são utilizados de forma mais livre na construção desse jogo de significados.

Assim como Yona Friedman propôs uma cidade espacial, negando o arquiteto e todo o excesso de construção que acelerava nas décadas de 60 e 70, fizemos o exercício estético entre delírios e utopias.

Para realizar as colagens partimos de cinco temas que identificamos nas visitas à área. Para a montagem escolhemos fotografias da área e recortes externos (de livros e revistas) que utilizamos para evidenciar ou contrapor aos temas. Os temas são:

- contraste entre o que acontece na Av. do contorno e nas ruas adjacentes;

- a diferença de escala e de idade entre as edificações; os vazios;

- o desenho peculiar das ruas;

- o movimento de substituição das tipologias residenciais.


Fotocolagens

Colagem grupo11 (1).jpg


Colagem grupo11 (2).jpg


Colagem grupo11 (3).jpg


Colagem grupo11 (4).jpg


Colagem grupo11 (5).jpg


integrantes do grupo

Grupo 12

PROJETO

APROPRIAÇÃO DO ESPAÇO PRAÇA DA SAVASSI - ESPAÇOS PÚBLICOS ITINERANTES

INTEGRANTES DO GRUPO