Usuária:Pedromameluque

De Projeto Paisagístico
Ir para: navegação, pesquisa

Resenha: Paisagismo no Brasil

A discussão do paisagismo no Brasil passa pela investigação da evolução da proposta do 'espaço livre' no cenário brasileiro. Eduardo Barra pontua que os espaços livres no Brasil foram criados como elementos de valorização dos edifícios mais importantes das cidades, notadamente as igrejas, e também como locais de concentração das práticas sociais e comerciais de seus cidadãos. A partir desta lógica, podemos compreender a proposição de espaço livres como um mecanismo usado em benefício da manutenção das classes dominantes. Na perspectiva histórica, o paisagismo se transfigura em um reforço desta hegemonia, que se transfere para o desenho urbano como uma coroa verde para o edifício símbolo de poder. Atualmente ainda podemos identificar o mesmo padrão nos grandes empreendimentos. Em uma retrospectiva às obras de Fernando Chacel, ele relata que com uma única exceção – o da Via Parque – trata-se de projetos empreendidos pela iniciativa privada (num dos casos em parceria com o poder municipal). São, no entanto, quase todos, espaços que se tornaram públicos por força de mecanismos compensatórios em troca da permissão para a realização dos empreendimentos. Vale lembrar que o capital imobiliário contemporâneo é intrinsecamente aliado ao capital financeiro que possui um caráter muito mais líquido proporcionando a captação de lucro em qualquer situação. Assim, o empreendedor enxerga lucro em seu investimento mesmo tendo que ceder parte de seu capital para obras mitigativas, ou seja, é o dinheiro que propõe os espaços livres, logo, estes se revelarão sempre em planos secundários. Essa perspectiva econômica perverte o ganho de qualidade ambiental e urbana para a cidade , portanto, nos é importante adquirir o conhecimento das produções de Fernando Chacel, Rosa Kliass, entre outras e outros, no sentido de valorizar a recuperação de ecossistemas e concepção de natureza urbana. Segundo Chacel, é possível conceber e projetar considerando a ecogênese pois o capital imobiliário não repugna, antes até pode interessar, a recuperação de ecossistemas.