Usuário:LarissaFabri

De Projeto Paisagístico
Ir para: navegação, pesquisa

MOBILIDADE URBANA

A contribuição da mobilidade urbana para a integração entre Campus UFMG e a cidade.

Integração urbana de campus universitário: um desafio para o planejamento e desenho urbano A integração entre campus e cidade apresenta-se como um desafio para o planejamento ambiental e desenho urbano. Como integrar um campus - espaço específico com funções urbanas definidas, à periferia da cidade, caracterizada por uma ocupação rarefeita, que conseqüentemente, em função da implantação do campus, vai impactar seu entorno, de diversos modos.

Como provocar a valorização dos imóveis, mudanças de usos e atividades que são geradas pelo fluxo de pessoas que passariam a ocasionar outros usos e atividades, configurando-se em nova centralidade enquanto vetor de expansão do tecido urbano; com conseqüências ambientais e sociais no uso do solo e em seu entorno imediato.

Um campus universitário, mesmo com atividades específicas, é um espaço público. O uso coletivo se dá pelas atividades de ensino, pesquisa e extensão, com acessibilidade facilitada pela sua inserção na malha urbana. Considerando que a urbanidade é inerente à arquitetura do espaço em diferentes escalas, sendo, portanto, uma qualidade da forma que é essencialmente material e repercute diretamente no comportamento e no bem-estar das pessoas ao utilizarem o espaço público, e, sendo o Campus um espaço público, o mesmo deve atender a estes requisitos para ser um espaço hospitaleiro e acolher as pessoas. Enfim, um espaço de integração entre campus e cidade.



Gestores e pesquisadores projetam melhorias nos campi e pregam integração com as cidades

É preciso repensar aquela área de contato com a cidade, para propiciar maior permeabilidade do território da Universidade e conectividade com o espaço público, fazendo do campus uma extensão dele

A UFMG, que aprovou em 2009 sua Resolução de Uso e Ocupação do Solo, a partir de plano diretor concebido há mais de dez anos, continua discutindo uma série de questões e buscando aprimorar seus campi e as relações territoriais com as cidades em que eles estão inseridos. Esse é o espírito do seminário Planejamento físico de campi, que acontece esta tarde na Pampulha, e do livro Territórios da universidade: permanências e transformações (organizado pelos professores Maria Lucia Malard e Carlos Alberto Maciel), que será lançado após o encerramento do evento.

https://www.ufmg.br/online/arquivos/028107.shtml


PAISAGEM INFRAESTRUTURAL

DESENHANDO A CIDADE EM TEMPOS INSTÁVEIS

Sashia Sassen

O desenho urbano pode ser entendido como fazer a arte com novos ganhos. Enfrentar a forma de viver nas cidades com grande quantidade de experiências, a convivência com grandes infraestruturas e o busca por lucros que o mercado impõe.

As cidades estão repletas de espaços vazios marcados pela memória do que por seu significado atual como espaço subutilizado.

Estes espaços podem conectar pessoas e situações e retirar a atenção que damos à grandes arquiteturas e a forma que lidamos com a cidade.

Podemos transformar o espaço vazio em um método de desenvolvimento urbano com espaços públicos e sem visar o lucro, que segunda Sashia Sassen é visto como um erro. Manter espaços subutilizados com pouca definição urbanística pode ter sentido de possibilidades futuras, diferente das atuais formas que atribuímos hoje.


CIDADES PARA PESSOAS: TRANSFORMANDO LUGARES SUBUTILIZADOS EM ESPAÇOS PÚBLICOS

Brooks Rainwater

Começamos com uma premissa fundamental: edifícios ocupam apenas uma fração de terra nas cidades. Tão importante quanto estruturas físicas são os espaços públicos entre elas.

Em muitas cidades estes espaços têm sido desconsiderados. Hoje, entretanto, estamos testemunhando experimentações e inovações ousadas em cidades por todo o mundo: cidades reutilizando e reimaginando espaços antes subutilizados para melhorar comunidades e transformar vidas.

O restante da matéria no site: http://www.archdaily.com.br/br/01-156085/cidades-para-pessoas-transformando-lugares-subutilizados-em-espacos-publicos