Usuário:Pedro magalhaes

De Projeto Paisagístico
Ir para: navegação, pesquisa

Proposta para TP 1a

Verticalização de Nova Lima: Historia, confrontos e Relação publico e privado

Análise crítica do crescente processo de verticalização na porção norte do município de Nova Lima, principalmente nos bairros Vila da Serra e Vale do Sereno. O estudo da área, pelos seus aspectos físicos, históricos, geográficos e socioeconômicos, assim como a partir da comparação da região com bairros de Belo Horizonte. Desse modo, visamos entender como Nova Lima poderia ter tido seu crescimento em uma escala mais humana, integrando o público e privado de forma mais eficiente e agradável.

   Mapeamento

Entendimento da região, pelos aspectos físicos e geográficos, com a demarcação de centralidades, pontos estruturadores, declividades, facilitadores de trânsito, áreas públicas/privadas e áreas verdes. Considerandos os impactos ambientais advindos da verticalização e entendendo os paliativos e as medidas tomadas pela prefeitura para amenizar esses impactos. Com isso iremos entender a relação do uso das ruas, quais os níveis de integração entre público e privado, para possibilitar comparações futuras. O mapeamento dessas informações permitirá um entendimento global da dinâmica dos bairros para que possamos analisar o crescimento da área.

   Análise Histórica

Comparação entre os parâmetros urbanísticos para a área no momento do seu parcelamento e as características atuais do bairro. Através da análise de mapas e fotos ao longo do tempo, bem como uma análise crítica das legislações de uso e ocupação do solo da região. Desse modo, almeja-se determinar, “como”, “quando” e “porque” ocorreram essas mudanças que geraram espaços públicos deficitários e inóspitos. Gerando assim uma proposta de parâmetros urbanísticos “ideais” para a região. Investigando também o que aconteceu com as áreas de preservação ambiental da região durante o processo de verticalização.

   Diagramas

Elaboração de diagramas de perfil das ruas e da tipologia residencial existentes nos bairros Vila da Serra e Vale do Sereno, a fim de demonstrar a dinâmica presente na região de forma gráfica e de fácil entendimento. Análise do contexto urbano resultante do tipo de ocupação da região e de seus impactos nos espaços públicos. No intuito de esclarecer quais parâmetros têm influência na geração da falta de espaços de convivência externos às edificações.

   Esquemas Comparativos 

Elaboração de esquemas comparativos dos bairros Vila da Serra e Vale do Sereno com bairros verticalizados e densos de Belo Horizonte a fim de entender as relações entre público e privado, para determinar as deficiências dos bairros de Nova Lima no que diz respeito aos espaços públicos.

Texto para TP1b - Comparando o bairro Vila da Serra ao Sion, Serra e Lourdes

Como critério para a elaboração dos esquemas comparativos usamos as relações do pedestre com os espaços públicos existentes, e como os diferentes tipos de edificações se relacionam com a rua e com o pedestre, nos quatro bairros. Para tal, utilizamos fotomontagens e diagramas para explorar, descobrir e evidenciar graficamente essas relações, com o intuito de que, posteriormente, esse material gráfico possa ser usado em uma discussão sobre a paisagem urbana e os impactos da verticalização no bairro Vila da Serra. Começando pelo bairro Serra, percebemos que as edificações verticalizadas são mais recentes quanto mais próximas da Av. Contorno, e da Rua do Ouro. As mais recentes seguem um tipo de construção que seria mais próximo ao que se encontra no Vila da Serra, com uso de fachadas em pele de vidro, e afastamentos que respeitam as novas leis. Os exemplares verticalizados mais antigos, que estão no interior do bairro Serra, são de menor porte, alinhados nos limites dos lotes. A Rua do Ouro concentra grande parte do comércio do bairro, variando entre casas, pequenos prédios de dois ou três andares, e alguns novos prédios que estão sendo construídos, os quais têm lojas no térreo. O comércio no Vila da Serra se concentra no Centro Comercial da Alameda Oscar Niemeyer.

Resenhas dos textos de referência

   Terrain Vagues - Ignasi Solá-Morales

Ignasi Solá-Morales inicia seu texto falando sobre como a fotografia influenciou a sensibilidade das pessoas em relação às nossas cidades, ao ambiente construído e representação arquitetônica, de modo que a percepção que temos do espaço é aquela que foi refeita e repensada pela técnica fotográfica e pelo olhar do fotógrafo. Esses registros produzem imagens da cidade, em vistas aéreas, de edifícios, das pessoas e das ruas, as quais, de acordo com Solá Morales, apesar de estáticas, dão indícios sobre os locais urbanos. As fotos de personagens anônimos e cenas urbanas, feitas após a Segunda Guerra Mundial, apontam para um fascínio com o ambiente urbano. Solá-Morales, então, observa que fotógrafos urbanos parecem ser atraídos por vazios urbanos, pelos limites das cidades, não homogêneos e nos quais as regulações urbanas ainda não impôs a ordem e racionalização do espaço. Esses lugares são percebidos, hora como estranhos, indefinidos, inseguros, hora como oportunidades, ou locais a serem ocupados, ordenados e habitados. A arquitetura, nesse contexto, vem como o instrumento de ordenação e racionalização do espaço, e quando desconsidera a continuidade e as forças pré existentes nos espaços vagos, nos limites urbanos, ela continua um esforço de homogeneização, muito presente nos grandes centros urbanos, os quais buscam a expansão por meio de um crescimento dissociado do indivíduo e de sua percepção do urbano. Podemos traçar um paralelo com a situação do Bairro Vila da Serra, pois se trata de um território no limite de áreas urbanas, bem adensado com edifícios de habitações bastante verticalizados, os quais são produzidos em acordo com as imagens da arquitetura contemporânea, com grandes varandas e fachadas em vidro, recuos ajardinados com fontes e palmeiras, dentre outras escolhas estéticas, características desses edifícios que competem entre si pelos moradores de maior poder aquisitivo. O local que antes era incerto, inseguro, apresentou em um momento uma oportunidade, a qual foi tomada em prol de uma arquitetura homogênea, e hoje exibe a promessa de segurança, de ordem, de estabilidade e certeza.

   Desenhando a cidade em tempos instáveis - Saskia Sassen

O texto de Saskia Sassen retoma a discussão de Ignasi Solá-Morales sobre terrain vague, áreas não delimitadas, de usos não definidos, nas quais pode-se perceber um potencial ou oportunidade. Como Ignasi Solá-Morales, Saskia Sassen defende uma posição contra o uso dessas áreas para o desenvolvimento e construção de projetos que sejam feitos buscando lucro. A autora argumenta em favor desses espaços como mais do que oportunidades para o mercado, e sim como oportunidades para dar mais vida às cidades. O reconhecimento desses locais, e seus potenciais, é uma dificuldade, e a autora analisa algumas intervenções artísticas que ajudam a desvendar onde estão esses espaços nas cidades. Em seguida, fala-se sobre a importância de habilmente reconhecer esses lugares, e neles, pensar uma arquitetura que sirva à vida urbana, como uma "infraestrutura habitada".


Referências

ETH Basel: Belo Horizonte - Opening a Territory and Making a Capital

Matéria do site SOS Nova Lima - O Futuro de Nova Lima

Revista Encontro - História do Bairro Vila da Serra

Concurso Renova SP

Paisagens. Ren Koolhaas & Stefano Boeri

Desenhando a cidade em tempos instáveis - Saskia Sassen

Morte e Vida de Grandes Cidades - Jane Jacobs

Terrain Vagues - Ignasi Solá-Morales